Pneus velhos, borracha nova

Pneus velhos, borracha nova

  •   Transformar borracha velha em nova
  •    
    Eles são deitados no ao ar livre e poluem o nosso ambiente. Fora o facto de serem utilizados como pelotas de borracha, ou transformadas em biocombustível os pneus de borracha vulcanizada não serviam para muito mais... até agora. A compania Israelense Levgum (www.levgum.com) pode torna-los em borracha completamente reutilizável para qualquer coisa desde correias para ferramentas, solas de sapato, tapetes de carro ou até mesmo novos pneus.
  •  
     
    O processo químico e mecânico da empresa é tão refinado para reinverter a  a engenharia dos componentes dos pneus de borracha e outras borrachas processadas, que fabricantes de pneus dos países ocidentais concordaram em usar como matéria-prima para novos pneus.
     
     
    Transformar borracha velha em nova
     
    Imagina fazer um bolo e retirar todos os ingredients- a farinha, a água, os ovos, o fermento- e fazê-los voltar a sua forma original. Esta é a base da tecnologia da Levgum, que está neste momento a trabalhar em um modelo licenciado com acordos específicos na Índia, Grécia, Roménia, Espanha, Italia, Turkia, Estados Unidos e Canadá.
     
    “Estamos a evoluir e liderar a o mundo em desvulcanização,” disse Ran Zamir, PCA da Levgum.
     
    Desconstruir a Goodyear
     
    Em 1843 um inventor Americano  inventor chamado Charles Goodyear descobriu que removendo o enxofre da borracha e depois disso aquecé-la, a borracha torna-se elastic, mas fica resistente ao inverno e a água. Isto é vulcanização.
     
    Levgum descobriu uma maneira de desfazer a alteração química na borracha depois do processo. Segundo informações  fornecidas pela companhia, isto é  feito em temperatura ambiente e não envolve químicos perigosos nem produz lixo tóxico. O truque? Bem , este é o segredo.
     
    As patentes da Levgum são baseadas em tecnologias desenvolvidas por Judeus Russos que emigraram para Israel. Os químicos que eles usam são de produtos prontos para uso.
     
    O processo, embora exige algum esforço, resulta de uma borracha que custa cerca da metade do preço da borracha virgem. Ela pode ser usada na mistura com borracha virgem, dependendo da necessidade. Mais de 70% da borracha reconstituida da Levgum é usada em produtos novos que podemos encontrar nos mercados.
     
    Um dos lugares onde podem ser encontrados os produtos finais é na  Walmart, em forma de um material de jardin, usado para arejar os canteiros.
     
     
    Transformação em lucro
     
    Levgum é responsável em colocar pelo menos cem mil toneladas de borracha velha de volta a circular. A tecnologia da companhia tem a capacidade de processar qualquer tipo de resíduo de borracha, colchões velos por exemplo ou correias, afirma Zamir.
     
    “A empresa está a trabalhar bem, e a sobreviver dos seus próprios lucros, e pela primeira vez distribuiu dividendos aos seus sócios no ano passado,"relata Zamir.
     
     “Nós continuamos activos, inclindo no mercado dos pneus na India e Europa, com uma grande empresa de pneus.
     
    “Mas eles ainda não estão licenciados," ele sublinha. "A sequência é a seguinte: Um licenciado arranja a  borracha, desfaz e a torna em borracha utilizável- igual quando pegas um bolo, o desfazes em migalhas e depois nós te damos a patente para trazer de volta a farinha, ovos e óleo.”
     
    Fundada em 1998 a empresa está  baseada em  Gedera e tem três funcionários com equipas terceirizadas. Uma vez que Israel não qualquer indústria de borracha, não é o lugar certo para se instalar uma fábrica. A desvulcanização deve ser feita perto do local onde a material-prima sera reutilizada.
     
    Levgum come;ou a trabalhar recentemente com uma grande empresa de pneus da Finlândia. Agora procura novas empresas licenciadas na Alemanha, Polônia e França que pretendem recuperar os seus investimentos em dois anos.
     
    “Estes são os lugares onde existem maiores consumidores de borracha na Europa,” explica Zamir . “Depois vamos nos virar para o longíquo orinte, na Coreia, China e Japão.”
     
    Acordos de licenciamento são um por país e baseam-se na compra de energia e compromissos ambientais.
     
    “ O  que nós estamos a procura são empresas que estejam financeiramente estáveis e que já estejam na indústria. Melhor se estiverem no negócio da reciclagem ou aquelas empresas que produzem materias de borracha." Diz Zamir.
     
     
     
  •