Israel condecora Cidadão Árabe

Museu do Holocausto homenageia cidadão árabe

  •   Mohamed Helmy foi condecorado com o titulo de ``Justo Gentil´´
  •    

    Mérito de Honra de Mohamed Helmy
  •  
     

    ​O indivíduo em questão é Mohammed Helmy, um médico egípcio que viveu em Berlim durante a Segunda Guerra Mundial e que, com a ajuda de uma mulher alemã, que também recebeu tal título, salvou a vida de uma família judia.Helmy, que nasceu em Cartum no ano de 1901 e morreu no ano de 1982, em Berlim, é o primeiro árabe a receber esse título, com o qual os judeus condecoram as pessoas de outras nacionalidades que lhes ajudaram durante o período de perseguição e genocídio.
    Segundo o comunicado, Helmy chegou à Alemanha em 1922 para estudar medicina, mas ficou a trabalhar num instituto médico berlinense até 1937, ano em que foi despedido por causa da sua origem.
    O cidadão árabe foi perseguido pelo regime nazista e discriminado - não pôde trabalhar no serviço médico nacional -, mas, mesmo assim, era contra as políticas raciais nazistas e deu cobertura a uma família de judeus durante as perseguições ocorridas em Berlim.
    “Era um bom amigo da família e me escondeu numa cabana que tinha no bairro de Buch em Berlim (...) A Gestapo sabia que o Dr. Helmy era o nosso médico (...) Ele conseguiu enganar todos os interrogatórios e, quando era o caso, me levava para casas de amigos para eu ficar lá, me apresentando como sua prima de Dresden”, relatou Ana Gutman, uma das que beneficiou da sua ajuda.O médico também contribuiu para salvar a vida de outras três pessoas da família de Gutman, oferecendo-lhes assistência médica e cobertura para vários dos seus amigos. Em 1944, um dos três judeus capturado pelos nazistas contou no interrogatório que Helmy era quem o ajudava e, inclusive, ocultava Ana Gutman, embora o médico tenha conseguido salvar-se com engenho e brilhantismo.O caso de Helmy e de Frieda Szturmann, a mulher alemã que o ajudou, chegou ao Museu do Holocausto graças a cartas recentemente descobertas no Senado de Berlim, as quais foram escritas pela família Gutman nas décadas de 50 e 60.O Museu vai expor a medalha e o diploma de reconhecimento a Helmy nas suas vitrinas até descobrir o paradeiro de algum dos seus descendentes. O título de “Justo Gentil” já foi concedido a 25 mil pessoas, sendo 6.394 polacos, 5.269 holandeses, 3.654 franceses, 2.441 ucranianos e 1.635 belgas. O restante dos títulos divide-se em mais de 40 nacionalidades, sendo esta a única árabe.

     

    Fonte:

    Jornal de Angola

    http://www.yadvashem.org/yv/en/pressroom/pressreleases